Com o contato muito intenso com a música durante a infância, foi natural que Margareth se interessasse pela cultura que exalava das ruas onde nasceu eu cresceu, na Península de Itapagipe. As serenatas e festas de largo da cidade eram programas imperdíveis da adolescência. Depois de muita insistência, foi nesta época que ganhou seu primeiro violão.